A Coreia do Norte libertou nesta quarta (09) Hyeon Soo Lim, pastor canadense que cumpria pena de prisão perpétua no país, por razões humanitárias, informou a KCNA, agência de notícias estatal norte-coreana.

A liberdade foi concedida um dia após autoridades canadenses informarem que uma delegação liderada pelo consultor de Segurança Nacional do país viajou ao país asiático para tratar do assunto.

O pastor que serviu em uma das maiores igrejas do Canadá foi condenado a uma vida de trabalho forçado em dezembro de 2015, pelo que a Coreia do Norte considerou como uma tentativa de destituir o regime.

“Rim Hyon Su, um cidadão canadense, foi libertado porque está doente, de acordo com a decisão da Corte Central da Coreia do Norte, no dia 9 de agosto de 2017, pelo ponto de vista humanitário”, disse a KCNA.

A igreja à qual Lim pertence em Toronto afirmou que ele visitou a Coreia do Norte mais de 100 vezes desde 1997 e ajudou a criar um orfanato e uma casa de enfermagem.

No ano passado, Hyeon contou à CNN que passou oito horas por dia cavando buracos em um campo de trabalho onde não via nenhum outro prisioneiro.

A família do pastor temia pelo bem-estar do pastor desde a morte do estudante americano Otto Warmbier, em junho, que estava preso na Coreia do Norte há 17 meses. O jovem morreu em um hospital em Cincinnati, nos EUA, dias após ser liberado da prisão em coma.

A Coreia do Norte ainda detém três americanos. Na semana passada, o Departamento de Estado dos EUA anunciou a proibição de viagens de cidadãos americanos ao país asiático a partir de setembro. Com informações de