Seja um canal de bênçãos em 2017

Deparei-me recentemente com um forte pensamento a perpassar a minha mente, como um desafio, que eu deveria escolher o tipo de homem que eu gostaria de ser no restante da minha vida: alguém que, como alvo, deixa a vida acontecer para mim; ou alguém que, como um canal, deixa a vida acontecer através de mim. Isso fez uma completa diferença em minha vida. E espero sinceramente que faça diferença na sua vida.

Eu meditei nessas duas perspectivas. Na primeira, eu podia simplesmente seguir em frente e cantar o hino dos conformados (“Deixa a vida me levar, vida leva eu”), sentindo-me como um alvo surrado, usando todo o meu potencial e energia para me proteger das flechadas da vida, numa completa vitimização pessoal em face dos infortúnios e vicissitudes da existência.

Na segunda, consegui ver um enfoque totalmente diferente, pois, como um canal, não precisaria gastar minha energia vital para me esquivar dos dardos inflamados da vida; antes, deveria ser um instrumento através do qual a vida, a alegria e o amor de Deus fluiriam para abençoar as pessoas ao meu redor.

Quando nos damos conta de que queremos ser um canal de bênçãos, temos por certo que a adversidade será sempre o primeiro teste imposto pela vida, para que saibamos decidir se iremos nos acomodar e desistir; ou se, como pessoas de fé, enfrentaremos os enormes desafios da vida e os aproveitaremos para crescer com eles, conquistar vitórias e sermos instrumentos para abençoar os outros.

O segundo teste que a vida nos impõe é o da prosperidade. Algumas pessoas pensam na prosperidade como sendo o oposto da adversidade, achando que uma vez alcançada a prosperidade estarão livres das adversidades. O que há de comum entre adversidade e prosperidade é que ambas têm o condão de mostrar se nossa escolha de ser alvo ou canal na vida realmente funciona.

A diferença é que a prosperidade é um teste de caráter disfarçado. O ensaísta escocês Thomas Carlyle compreendeu isso quando escreveu: “A adversidade, às vezes, é difícil para um homem, mas para cada um que supera a prosperidade, há cem que superam a adversidade. São poucos os que conseguem manter o equilíbrio moral, espiritual e financeiro, enquanto se equilibram na alta corda bamba do sucesso”.

É por isso que a maioria das pessoas sabe lidar melhor com um fracasso do que com uma promoção. É por isso que não poucos cristãos sabem lidar melhor com a tribulação do que com a abundância de bênçãos. É por isso que a maioria dos políticos consegue produzir mais e melhor no tempo em que lhes falta popularidade do que com sua popularidade nas alturas. E por quê?

Penso que a resposta é que a adversidade tem o condão de tornar a vida mais simples, tanto que nos deixa apenas duas escolhas: encarar a luta, vencer e ser uma bênção; ou simplesmente desistir e se autovitimizar. A prosperidade, por outro lado, embora não se pareça com um teste, cria nas pessoas uma sensação de vazio e insatisfação, que se expressa no desejo incontido de ter mais e mais daquilo que já tem de sobra, vivendo como se tudo não fosse o bastante.

As adversidades da vida estão diante de nós para serem vencidas, não para desistirmos de lutar. Temos de fazer por onde, temos de pagar o preço, temos de vencer. Mas não somente isso, temos de sair da luta como uma bênção para as outras pessoas. O que vale mais não é a pessoa que entrou na luta, mas o tipo de pessoa que saiu dela.

Jesus disse: “De que adianta uma pessoa ganhar o mundo inteiro e vir a perder a sua alma?” (Mc 8.36). Ora, convém identificar que Jesus não está contra uma pessoa obter sucesso e ganhar o mundo inteiro. O que Ele está dizendo é que não vale a pena perder a alma, como preço a se pagar pelo sucesso, por uma conquista, mesmo que seja o mundo inteiro.

Não são poucas as pessoas que, buscando o sucesso na vida, acabam por perder a sua própria alma. Elas se perdem de si mesmas no caminho do sucesso porque viraram alvos, a finalidade de tudo; ou porque não se tornaram canais de bênçãos.

Diz-se popularmente de que tudo na vida tem um preço. Todos querem ter êxito em seus planos, seja no aspecto pessoal, familiar ou profissional, mas poucos querem “pagar o preço”, gastar seu tempo no que realmente conta, principalmente no que diz respeito às ações de natureza espiritual, em oração e jejum, na dependência de Deus, para que a vida seja densa de sentido.

Tenhamos, pois, isto em mente: uma pessoa sábia reconhece que a melhor atitude para quem quer alcançar plena vitória é confiar em Deus. Em pesquisa recente, 95% dos brasileiros atribuíram seu sucesso na vida à ajuda de Deus. Oxalá isso seja verdade para todos os brasileiros, para que todos nós possamos seguir avante em 2017, a fim de conquistarmos terrenos nunca antes pisados, com fé, determinação e esforço; e por fim, sejamos verdadeiros canais de bênçãos.

Esta é a minha oração: “Siga em frente, pois o Senhor te guardará de todo mal; guardará a tua alma. Jesus guardará a tua saída de 2016 e a tua entrada em 2017, desde agora e para sempre. Seja um canal de bênçãos em 2017!”

Pastor Samuel Câmara
Assembleia de Deus em Belém

admin

Analista de Sistema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.